Evolução e história


Segundo os fosseis conhecidos, os primeiros ungulados (mamíferos de cascos) apareceram na Ásia na época Paleocena (tempo geológico) a norte da China. O cavalo pertence à ordem dos Perissodátilos, e os ungulados possuem um número impar de dedos. Um destes dedos é o dominante e assegura o apoio e equilíbrio do animal.

Os cavalos pertencem à família dos Equidae, onde também encontramos os burros e as zebras. Reunidos num único género, Equus, eles estão repartidos em sete espécies:

  • Equus caballus (cavalo doméstico)
  • Equus przewalski (cavalo de Przewalsky)
  • Equus asinus (burro selvagem de África)
  • Equus bemionus (burro selvagem da Asia)
  • Equus kiang (kiang)
  • Equus zebra (zebra da montanha)
  • Equus burchelli (zebra de Burchelli)

Os primeiros Equus possuíam quatro dedos em cada extremidade dos seus membros traseiros e apenas três nos posteriores. Como resultado de uma adaptação progressiva, o número de dedos que descansam no chão ao longo dos anos foi alterada pela aparição do casco, característica do cavalo actual.

Evolução e história dos cavalosApareceu durante a época Eocena, mais ou menos à 54 milhões de anos, e durante muito tempo tem-se acreditado que o antepassado mais distante do cavalo era o “Hyracotherium leporinum”. Mas estudos recentes dizem que afinal ele estava entre os Paleotheres.

Foi apenas ate quase ao final do final do tempo Pliceno, à dois milhões de anos, que a forma actual do cavalo estabiliza com a forma dos Pliohippus. Descobertos nos Estados Unidos, os fosseis testemunham pela primeira vez, a presença de um dedo único, com membros mais robustos do que os dos seus antepassados.

Os primeiros cavalos tinham a tala de um cordeiro, vários dedos em cada pé e dentes adaptados para comer folhas. Os verdadeiros cavalos do género Equus apareceram na América do Norte. O “Orohippus agilis” é um dos cavalos mais antigos conhecidos. Os seus dentes já estavam adaptados para comer folhas. Só qe os seus dentes molares tinham maior tamanho. Este cavalo media 40 cm de tronco.

A historia dos cavalos está bastante ligada ás mudanças climáticas. Depois de uma evolução constante ao longo do tempo Eoceno, quando a terra se separou em continentes, os cavalos emigraram pela Eurásia. Já de grande porte, começaram a aparecer os cavalos actuais.

O Anchitheriinae foi o primeiro exemplo que apareceu na Europa. A sua pata conservou três dedos. O seu pescoço era mais largo do que os dos cavalos actuais. A espécie evolui-o bastante na América do Norte.

Durante o percurso do Oligoceno, há aproximadamente 30 milhões de anos, o regresso dos bosques forçou uma nova evolução dos cavalos. Tiveram que se adaptar a um solo mais duro e a um meio mais aberto, frequentado por vários predadores. Membros mais largos favoreciam a fuga. Esta especialização também afectou os dedos, produzindo assim uma redução progressiva do número de dedos. Foi nesta altura que apareceu o casco sólido nas patas.

Paralelamente, a tala e a potência dos cavalos aumentaram. Também a sua dentadura se adaptou à sua nova dieta: ervas duras. Com o começo da época Mioceno, os dentes se transformaram. A sua dentadura ficou bastante similar à dentadura dos cavalos de hoje em dia.

O Hipparion colonizou a Eurásia e África no fim da época Miocena. Os ossos dos membros dos cavalos actuais estão com um mecanismo de bloqueio que permite ao animal manter-se em pé sem esforço algum. O Hipparion não possuía tal mecanismo.


Condições de uso